QUANDO O ILEGAL VIRA LEGAL

Uma edição especial sobre o Brasil foi publicada hoje na Europa no Journal Of Lllicit Economies and Development e na revista London School of Economics.



1 – A visão do pesquisador

Os Pesquisadores Luiz Guilherme Paiva, Gabriel Feltran e Juliana Carlos apresentaram seus estudos sob a chancela da Universidade Federal de São Calor e do Centro de Estudos de Metrópole, com uma estória com um protagonista chamado Samuel. que começa como um garoto de uma comunidade pobre de São Paulo e sua trajetória no mundo da venda de drogas, onde consegue faturar e assim o estudo mostra como ele transforma o dinheiro ilegal em legal.

Conta como ele ganha seu primeiro dinheiro e compra bens de consumo em shoppings depois parte para roubos de carros e venda de drogas pesadas.

Cita também a linha de tráfico entre Brasil e países africanos, ilustrando com base em sues dados empíricos, a venda de produtos roubados, a forma de lucro de seguradoras e logas, vendedores, além da pressão sobre a repressão policial que esse pessoal sofre.

O link da publicação que foi publicada hoje na Uol aqui no brasil está aqui. Só clicar AQUI e ler.

2 – A mesma ladainha de sempre

O que acho interessante, baseado no publicado na Uol, não li o estudo inteiro, é que mais uma vez os acadêmicos partem na defesa de forma atabalhoada para os fora da lei.

A tentativa de vitimização de quem não cumpre a lei, quem acha um atalho na vida passando por cima de tudo que é importante para o resto da população, mais uma vez é visto neste estudo.

Ele até cita que o personagem principal está no meio de trabalhadores. Mas ele não teve a opção de optar por ganhar seu dinheiro honestamente, por que isso dá muito trabalho. Acordar cedo, pegar 4 conduções, por quase 3 horas para chegar ao trabalho e depois a mesma rotina na volta, realmente é ruim. Mas é honesto. E conheço muita gente que faz isso com gosto.

Não consigo entender por que esses trabalhadores não são alvos de elogios e vitimização por acadêmicos, que insistem em defender quem anda fora da lei.

Que os governos são terríveis isso não é novidade. Todos são omissos para as pessoas que necessitam de apoio. Mas somente uma minima parcela dessas pessoas, andam fora da lei.

A grande maioria trabalha e trabalha muito. Mas não são defendidos.

Também não entendo em colocar sempre o bandido com alguém que veio das camadas mais necessitadas. Isso é puro preconceito. Nem todo bandido tem origem pobre. Aliás, os grandes bandidos desses país tem berço.

O interessante é que o estudo tenta jogar para outros meios, o lucro e a viabilidade dos crimes, deixando de fora o grande fator, que são os consumidores de drogas.

Não aqueles da cracolândia, mas aqueles que tem dinheiro pra isso, com festas regadas a muita cocaína, e baladas com as novidades em entorpecentes com acessos exclusivos, não disponíveis para pessoas comuns. Só pra quem tem muito dinheiro mesmo. Isso não foi citado no estudo.

3 – Por que defender?

Mas falando do estudo dos pesquisadores, a tentativa de vitimização é tanta que apresenta dados impossíveis, com erros grotescos como por exemplo o roubo de carros, que são vendidos na Bolívia e ao mesmo tempo as seguradoras lucrando com isso.

Colocando em lojas no shopping a responsabilidade pela legalização do dinheiro roubado, culpando o capitalismo e o livre comércio pela prosperidade do crime.

Mas é compreensível que no país em que nossos representantes, nossa classe politica e judiciária propicia escândalos diários, com acusações, indiciamentos, e tudo mais que envolvem roubos e falcatruas, é de se esperar que estudos venham defender os bandidos.

O mau exemplo começa de cima e se espalha em todos os segmentos.

Nós aqui, aqueles que tem que trabalhar para pagar essa palhaçada toda, vamos continuar trabalhando.


inicial.jpg
eneagrama.jpg
consultas.jpg
livros.jpg
curso.jpg
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now