Depois da Lua de mel

Não vou criar nenhuma estória fantasiosa de como foi criada a expressão Lua de mel. Vou somente falar dela no conceito da Psicanálise.



O QUE FAZER QUANDO VOLTAR À REALIDADE?

1 – O melhor período.

Eu sei que este termo remete ao casamento, aquele momento pós festas, mas ele pode ser aplicado em algumas situações.

O período de “Lua de mel” pode ser entendido como a fase em que você saboreia uma conquista ou algo que buscou por algum tempo como a compra de um bem ou mudança de casa.

Quando você tem um novo emprego, um carro novo, uma nova casa, por exemplo.

Ao conseguir efetivamente, a primeira fase de convívio com a conquista, pode ser entendido como uma lua de mel.

Cada um reage de forma diferente, mas o prazer de conviver, utilizar ou estar em um lugar que você buscou, causa um frenesi.

E todos vivem um período em que a conquista é celebrada e valorizada com toda justiça.

O novo emprego não é só novo, é a melhor colocação do mercado, com a melhor equipe e equipamentos que já teve a disposição para fazer o seu trabalho.

O carro que você comprou é único. Não existem mais centenas iguais a ele, pois nenhum tem a cor tão bonita, o motor tão potente ou a segurança tão efetiva.

A casa nova onde você mora sozinha é a mais que um castelo, um castelo encantado, onde seus sonhos de criança e juventude, podem ser realizados pela adulta que agora conquista o seu espaço.

Enfim, a conquista tem um sabor diferente e é saboreado por um tempo.

Algo quase que inexplicável como se não pudesse mensurar.

Assim como não tem como prever o tempo que essa fase,ou lua de mel, vai durar.

Mas se não acontecer nenhum imprevisto, o fim desta lua de mel chega uma hora ou outra.

2 – Quando chega a hora.

Após a “lua de mel”, aquela fase em que você não percebe que o novo emprego, é igual a todos.

Também tem um chefe, horários, metas, responsabilidade que você terá que dedicar ao máximo para cumprir.

Como todo trabalho, tem mais alguém ligado ao resultado e necessita de respostas.

O Carro novo tem os mesmos problemas que todos da mesma linha. Por mais completo que for, necessita de manutenção, combustível, acessórios, e tudo mais.

Além do que os custos são iguais aos outros, com impostos e taxas que necessitam de atenção.

A casa nova, bom, acho que nem precisa descrever.

Este é o tempo no casamento em que as pessoas começam a perceber que o parceiro tem os seus defeitos.

Ele mexe na cama, tira sua coberta, não vai deixar a toalha no luar nunca e tantos defeitinhos que até agora você não deu importância, mas começa a ser considerado.

Absolutamente não é o fim da relação.

Nem pode ser entendido como o fim do encantamento.

Mas pode ser entendido como aquele momento que o hipinótico da novidade passa e voltamos ao estado normal.

Podemos entender como o fim do período de êxtase, e voltamos os pés no chão.

Isso não significa que acabou. Significa que voltamos a realidade.

3 – Cada um reage de um jeito

Mesmo deixando claro que não é o fim do que estava-se vivendo na lua de mel, cada um reage de forma diferente.

Um dos sentimentos mais comum é a decepção. Comum e injusta, mas infelizmente faz parte do fim da lua de mel.

Outro sentimento é a apatia. Alguns começam a falar que é a entrada de monotonia.

Mas o que vejo muito no consultório, é que a aceitação do fim da lua de mel, do período de conquista provoca algumas confusões nas pessoas.

Uma boa saída para isso, é o entendimento que uma fase acabou, viver o seu luto, e criar novas metas.

Novos objetivos são sempre muito importantes, até mesmo quando ainda não alcançamos um.

Não estou dizendo para não viver a lua de mel, mas que se entenda que é uma fase, e aproveitar ao máximo.

Por que, por mais que acreditamos que tudo aquilo é diferente, tudo volta ao normal.

O pão cai com a manteiga para o lado de baixo e o vaso sanitário entope. Coisas da vida.

inicial.jpg
eneagrama.jpg
consultas.jpg
livros.jpg
curso.jpg
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now